Terça-Feira, 24 de Abril de 2018

335 famílias rondonenses poderão regularizar seus imóveis junto à Cohapar

Pedro Rauber fez anúncio após reunião em Curitiba

Marechal Cândido Rondon

| 01/12/2017 | 15:32 | Assessoria
335 famílias rondonenses poderão regularizar seus imóveis junto à Cohapar | Marechal Cândido Rondon
Pedro Rauber e o diretor de Regularização Fundiária da Cohapar, Guilherme Cherobim Filho | Foto: Cristiano Viteck
RECOMENDAMOS

 O presidente da Câmara de Marechal Cândido Rondon, Pedro Rauber, confirmou a formalização de convênio entre o município e a Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar). A informação foi repassada por Guilherme Cherobim Filho, diretor de Regularização Fundiária de Interesse Social da Cohapar, com quem Pedro Rauber reuniu-se na última terça-feira (28), em Curitiba (PR).

Conforme o presidente da Câmara, a previsão é que no próximo ano seja solucionado o problema de 335 famílias rondonenses. Destas, 85 construíram suas moradias através do regime de mutirão pela antiga Companhia Rondonense de Habitação, mas não conseguiram obter a escrituração dos imóveis. É o caso dos conjuntos habitacionais Vila Martins, Santo Amaro, além daqueles existentes nos distritos de Porto Mendes, Iguiporã e Margarida.

Já as outras 250 famílias residem nos bairros Augusto I e II. Estas adquiriram os terrenos através de imobiliária, que nunca fez a escrituração dos lotes.

Em maio deste ano, Pedro Rauber apresentou requerimento (nº 226/2017) na Câmara de Vereadores, solicitando à Prefeitura e Cohapar que firmassem parceria para pôr fim a este problema que aflige muitas famílias - algumas há décadas tentam regularizar seus imóveis.

Conforme explanado pelo diretor da Cohapar, a formalização das escrituras será feita pelo programa “Morar Legal Paraná”, por meio do Fundo Estadual de Combate à Pobreza, criado pelo Governo do Estado em 2015. Através dele, a Companhia vai licitar a empresa que fará o levantamento da situação socioeconômica das famílias, que para se enquadrar no programa devem ter renda familiar de, no máximo, cinco salários mínimos.

A mesma empresa será responsável pelo levantamento topográfico e encaminhamento da regularização fundiária de cada imóvel. A estimativa da Cohapar é que este trabalho inicie em janeiro de 2018.

Uma das vantagens do programa “Morar Legal Paraná” é que ele facilita ao proprietário o pagamento da escrituração, parcelado em 40 prestações de R$ 80. Os demais custos com a regularização ficam sob responsabilidade do Fundo Estadual de Combate à Pobreza.

Para Pedro Rauber, a confirmação de que a Prefeitura e a Cohapar vão garantir a regularização destes imóveis é um grande alívio para as famílias, que viviam apreensivas. “Esta era uma reivindicação de muitos anos dessas pessoas, que agora serão de fato proprietárias de suas casas”, afirmou o presidente da Câmara de Vereadores ao final da reunião na Capital do Estado.

----------- 

Conjuntos habitacionais beneficiados

 

Augusto I e II: 250 imóveis/famílias

Vila Martins: 9 imóveis/famílias

Santo Amaro: 6 imóveis/famílias

Porto Mendes: 36 imóveis/famílias

Iguiporã: 27 imóveis e 18 famílias

Margarida: 24 imóveis e 16 famílias

TOTAL: 352 imóveis e 335 famílias

VEJA MAIS SOBRE Marechal Cândido Rondon
EM DESTAQUE
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
ENTRETENIMENTO E VARIEDADES