Quinta-Feira, 22 de Agosto de 2019 Fale Conosco Redação: (45) 9.9801-2350

China proíbe voos locais com Boeing 737 MAX 8 após acidente na Etiópia

Mundo | 11/03/2019 | 09:06 |
| Fotos: Thomas Peter/Reuters |
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O órgão que supervisiona a aviação na China ordenou que todas as companhias aéreas do país suspendam os voos locais com o modelo Boeing 737 MAX 8 após a queda de uma aeronave na Etiópia que deixou 157 mortos.

Foi o segundo acidente em 5 meses com este modelo, que é a versão mais recente do avião comercial mais vendido no mundo. No final de outubro último, 189 pessoas morreram em um voo da indonésia Lion Air.

O MAX 8 faz parte da quarta geração do 737 – é destinada a voos curtos e de médio alcance. O primeiro voo é de 2016, e a aeronave começou a ser entregue há dois anos. Nos dois acidentes, o avião caiu minutos após a decolagem.

Após o acidente com o 737 MAX 8 na Indonésia, a comunidade aeronáutica passou a questionar a falta de informação das companhias e dos pilotos sobre seu novo sistema de aviso de entrada em perda de sustentação, informa a agência AFP.

A Administração da Aviação Civil da China informou em comunicado que avisaria as companhias quando os voos poderiam ser retomados. De acordo com o órgão, será necessário entrar em contato com a Boeing para obter mais informações.

"Dado que os dois acidentes envolveram dois modelos Boeing 737 MAX 8 entregues recentemente e que ocorreram durante a fase de decolagem, há algum grau de semelhança", afirmou Administração da Aviação Civil da China.

O Boeing 737 MAX 8 caiu neste domingo (10) perto da cidade de Bishoftu, 62 km a sudeste de Adis Abeba. "O piloto mencionou que teve dificuldades e que queria voltar [a Adis Abeba]", afirmou o presidente da companhia aérea, Tewolde GebreMariam Medhin, em entrevista coletiva. Os controladores, então, "autorizaram-no" a dar meia-volta e retornar.

"Nós recebemos o avião em 15 de novembro de 2018. Ele voou mais de 1,2 mil horas. Havia voado de Joanesburgo [na África do Sul] mais cedo esta manhã", afirmou o CEO da Ethiopian Airlines. O piloto tinha mais de 8 mil horas de voo, segundo autoridades da companhia em coletiva.

"Como eu disse, é um avião novo em folha, sem registros de problemas técnicos, comandado por um piloto sênior, e não há nenhuma causa à qual possamos atribuir [o acidente] neste momento", disse o presidente da empresa aérea.

O avião levava 149 passageiros e 8 tripulantes. Segundo lista divulgada pela companhia, havia passageiros de mais de 30 nacionalidades diferentes. Havia quenianos, etíopes, norte-americanos, canadenses, franceses, chineses, egípcios, suecos, britânicos, holandeses, indianos, eslovacos, austríacos, suecos, russos, marroquinos, espanhóis, poloneses e israelenses.

PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
INSCREVA-SE NA NOSSA NEWSLETTER E RECEBA AS PRINCIPAIS NOTÍCIAS POR E-MAIL
Participe do nosso grupo no WhatsApp