Quarta-Feira, 18 de Setembro de 2019 Fale Conosco Redação: (45) 9.9801-2350

Gaeco prende vereador durante operação em Marechal Cândido Rondon

Marechal Cândido Rondon | 15/05/2019 | 09:55 |
| Fotos: Walace Clasen - Toledo News |
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
Uma grande operação foi deflagrada pelo Gaeco na manhã desta quarta-feira (15), em Marechal Cândido Rondon. Cerca de 40 viaturas foram utilizadas para cumprir cinco mandados de prisão e 20 de busca e apreensão.

O principal alvo da operação foi o vereador Nilson Hachmann (PSC), que é acusado de utilizar empresas em nome de laranjas para firmar contratos irregulares com a prefeitura. As empresas atuam em áreas diversas, como obras públicas (pavimentação rural), prestação de serviços e transporte escolar.

Os mandados foram cumpridos em oito residências, nove empresas, um escritório contábil, no setor de licitações da prefeitura e no gabinete do vereador na Câmara.

Na prefeitura e na Câmara os funcionários públicos que chegaram para trabalhar tiveram que aguardar do lado de fora, enquanto os policiais trabalharam internamente. Na Câmara de Vereadores a situação foi a mesma.

A operação é denominada de Pula-Pula, pelo fato do vereador trocar frequentemente de partido para sempre permanecer na situação. Toda a documentação apreendida foi encaminhada para a sede do Ministério Público (MP), da cidade.

O filho do vereador, que seria dono de uma dessas empresas, também foi preso. Também foi cumprido um mandado de suspensão do exercício do cargo contra a ex-mulher do vereador que exercia cargo público.

A denúncia contra Nilson 

Nilson Hachmann, que já presidiu a Câmara e foi secretário municipal, é suspeito de quebra de decoro parlamentar conforme denúncia protocolada no Poder Legislativo no dia 28 de fevereiro pelo vereador Josoé Pedralli. Nela, o edil acusa Hachmann de ter se utilizado de empresas em nome de terceiros, mas que supostamente seriam de sua propriedade, para participar de processos licitatórios e realizar venda direta à prefeitura.

As supostas irregularidades teriam sido cometidas no decorrer de 2009 até agora.

A denúncia foi aceita recentemente na Câmara, que investiga a questão, que pode levar Nilson a perder o mandato.
MAIS FOTOS
PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
INSCREVA-SE NA NOSSA NEWSLETTER E RECEBA AS PRINCIPAIS NOTÍCIAS POR E-MAIL