Porque a minha empresa precisa ter um site? Veja as respostas
 
Sexta-Feira, 19 de Julho de 2019 Fale Conosco Redação: (45) 9.9800-7080

Manifestantes fazem ato no Paraná contra bloqueio de verbas na educação

Paraná | 15/05/2019 | 10:29 |
| Fotos: Reprodução / RPC |
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Manifestantes se reúnem na manhã desta quarta-feira (15) em frente ao prédio histórico da Universidade Federal do Paraná (UFPR), na praça Santos Andrade, em Curitiba, em um ato contra o bloqueio de verbas em institutos de educação federais anunciado pelo Ministério da Educação (MEC).

O ato foi convocado por estudantes e movimentos sociais e tem na programação atividades e protestos até as 18 horas.

Até as 9h45 a Polícia Militar (PM) não tinha uma estimativa do número de pessoas participantes do ato. Segundo a Secretaria Municipal de Trânsito de Curitiba (Setran), as ruas não estão bloqueadas na região central da cidade.

De acordo com a UFPR, instituição que teve o maior bloqueio de verbas no estado, há setores da universidade funcionando normalmente, com aulas, apesar do ato.

Bloqueio de verbas

Em abril, o Ministério da Educação divulgou que todas as universidades e institutos federais teriam bloqueio de recursos. Em maio, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) informou sobre a suspensão da concessão de bolsas de mestrado e doutorado.

De acordo com o Ministério da Educação, o bloqueio é de 24,84% das chamadas despesas discricionárias — aquelas consideradas não obrigatórias, que incluem gastos como contas de água, luz, compra de material básico, contratação de terceirizados e realização de pesquisas. O valor total contingenciado, considerando todas as universidades, é de R$ 1,7 bilhões, ou 3,43% do orçamento completo — incluindo despesas obrigatórias.

Em 2019, as verbas discricionárias representam 13,83% do orçamento total das universidades. Os 86,17% restantes são as chamadas verbas obrigatórias, que não serão afetadas. Elas correspondem, por exemplo, aos pagamentos de salários de professores, funcionários e das aposentadorias e pensões.

Segundo o governo federal, a queda na arrecadação obrigou a contenção de recursos. O bloqueio poderá ser reavaliado posteriormente caso a arrecadação volte a subir. O contingenciamento, apenas com despesas não obrigatórias, é um mecanismo para retardar ou deixar de executar parte da peça orçamentária devido à insuficiência de receitas e já ocorreu em outros governos.

PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
INSCREVA-SE NA NOSSA NEWSLETTER E RECEBA AS PRINCIPAIS NOTÍCIAS POR E-MAIL