Segunda-Feira, 23 de Setembro de 2019 Fale Conosco Redação: (45) 9.9801-2350

Paraná intensifica ações de combate à febre amarela

FEBRA AMARELA | 16/08/2019 | 13:41 |
Medidas começaram nesta quinta-feira (15) e seguem até 31 de novembro em 345 municípios. Elas incluem a intensificação da vacina contra a doença e trabalhos para a detecção e investigação de epizootias. | Fotos: Jaelson Lucas/AEN |
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O Paraná reforça o combate à febre amarela até 31 de novembro com ações diferenciadas. As medidas foram colocadas em prática a partir desta quinta-feira (15) em 345 municípios e incluem a intensificação da vacina contra a doença e trabalhos para a detecção e investigação de epizootias, que é a morte de macacos provocada pela contaminação do vírus da febre amarela.

O combate intensificado ocorre de acordo com o Plano de Ação do Estado do Paraná, pactuado com o Conselho Estadual de Saúde, Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Paraná e com as 22 Regionais de Saúde. As atividades serão realizadas antecipando a possível rota que o vírus fará no próximo período epidemiológico.

Nesta quinta-feira (15), a secretaria estadual promoveu uma reunião em Ponta Grossa, com a participação de coordenadores do Ministério da Saúde e com a presença de representantes de 12 municípios que fazem parte da 3ª Regional de Saúde. O encontro oficializou o início do período de intensificação no Estado.

O coordenador nacional de Vigilância das Arboviroses do Ministério da Saúde, Rodrigo Said, explicou que as ações acontecem no âmbito tripartite, envolvendo os entes federal, estadual e municipal. “Estamos alinhavando cenários de risco, avaliando áreas de baixas coberturas vacinais e focando a intensificação da vacina no público-alvo, que é a pessoa do sexo masculino, adulto/jovem, que vive ou trabalha em áreas rurais. Os municípios já estão sendo orientados para busca ativa desta população para a imunização contra a febre amarela”.

Said disse que Plano de Ação identifica quatro possíveis rotas que o vírus poderá percorrer no próximo período sazonal. Se acordo com ele, uma rota se desloca para a região Norte e se divide, abrindo um segundo caminho sentido Foz do Iguaçu. “Outra rota é o Litoral, descendo para Santa Catarina, e a quarta rota sai do Centro do Estado e também segue para a fronteira de Santa Catarina. Com estes caminhos traçados antecipadamente podemos identificar com mais precisão as epizootias e imunizar a população”.

A Secretaria da Saúde do Paraná começou a desenvolver o Plano de Ação em fevereiro deste ano com apoio do Ministério da Saúde, Organização Pan-Americana de Saúde, Fundação Oswaldo Cruz, Superintendência de Controle de Endemias de São Paulo e secretarias estaduais da Saúde de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul.

PRIMATAS - “Destacamos sempre que os macacos são nossos sentinelas. Se existe silêncio nas matas é porque os macacos podem estar morrendo e isso é sinal de vírus em dispersão”, explicou o coordenador de Arboviroses do ministério. “Por isso recomendamos a investigação de todas as epizootias como medida preventiva”, complementou.

Por meio da Fiocruz já está disponível para toda a população o aplicativo SISS-GEO, que permite o envio de fotos e informações sobre macacos contaminados ou mortos. O sistema envia os dados diretamente ao serviço de Vigilância mais próximo.

VACINA - A coordenadora do Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde, Francieli Fontana, reforçou que a atual recomendação é para que a vacina seja aplicada em crianças a partir de nove meses. “E não fechamos idade limite, inclusive orientamos que pessoas acima de 60 anos também recebam a dose”, disse. De acordo com ela, o ministério tem cerca de 40 milhões de doses disponíveis e o objetivo é atingir cobertura vacinal de 95% da população.

O Paraná já passou a orientação a todas as Regionais de Saúde e precisamos melhorar nossa cobertura vacinal. Em 2017 o Estado teve 57,3% da população vacinada contra a febre amarela e, em 2018, atingimos 63%”, disse Vera Rita da Maia, chefe da Divisão de Imunização da secretaria.

Segundo Vera Rita, o Paraná tem doses suficientes em estoque e adquiriu 6 milhões de seringas para esta tarefa de intensificação. “A Secretaria da Saúde do Paraná está à disposição dos municípios para apoio às estratégias de vacinação e nosso objetivo é chegar a 95% de cobertura vacinal e sem registro de novos de febre amarela no próximo período epidemiológico”.

PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
INSCREVA-SE NA NOSSA NEWSLETTER E RECEBA AS PRINCIPAIS NOTÍCIAS POR E-MAIL
Participe do nosso grupo no WhatsApp