Sábado, 19 de Outubro de 2019 Fale Conosco Redação: (45) 9.9801-2350

Em busca de desafio e estabilidade, Daniel Alves viaja à Europa para ouvir propostas

Mundo | 10/07/2019 | 12:03 |
Com duas propostas, Daniel Alves quer liga competitiva e pelo menos dois anos de contrato. | Fotos: Reprodução/Divulgação |
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Responsável por erguer o troféu da Copa América como capitão da seleção brasileira e eleito o melhor jogador do torneio, Daniel Alves dará o primeiro passo para definir seu futuro nesta quarta-feira. Após um breve período de descanso na Bahia, o lateral embarcará para a Europa junto a seu empresário, Fransérgio, com o objetivo de ouvir propostas de dois clubes do Velho Continente.

Em alta pelo desempenho na Seleção, o jogador de 36 anos deseja atuar em uma equipe de primeiro escalão no continente. E tem duas prioridades no momento da escolha: encontrar desafios, por isso o desejo de jogar uma liga competitiva; e a busca por estabilidade, com a exigência de no mínimo dois anos de contrato.

Daniel Alves deseja, desta forma, estar em um cenário que propicie sua presença na seleção brasileira até a Copa do Mundo de 2022 - alvo que ele já deixou claro para a sua carreira. O grande desempenho mostrado na Copa América, como capitão da equipe de Tite, deixou o veterano em alta. Mas antes mesmo do torneio diversas equipes entraram em contato, demonstrando interesse em contar com ele.

Com contrato encerrado com o PSG no fim da temporada passada, o lateral já foi procurado por dois clubes depois da competição, encerrada no último domingo. E a viagem para a Europa é justamente para ouvir o projeto dessas equipes, que, segundo o estafe do jogador, integram o primeiro escalão do continente.

 

O nome de Daniel vem sendo ligado ao Manchester City, que fez um contato antes da Copa América. Após a vitória do Brasil na final sobre o Peru, o lateral se disse "viciado em ganhar" e que gostaria de aproveitar a alegria da conquista naquele momento. Entretanto, deixou no ar novas possibilidades para sua carreira, que teve passagens por Espanha, Itália e França.

- Gosto de desafios, gosto da inquietude de poder tentar alguma coisa diferente. Mas agora vamos sentar com calma. Estou livre, sou jogador da seleção brasileira e aberto a ofertas. A aprender inglês, por exemplo? Yes, of course - brincou, ao ser questionado se poderia atuar no City por conta da boa relação com o técnico Pep Guardiola.

PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
INSCREVA-SE NA NOSSA NEWSLETTER E RECEBA AS PRINCIPAIS NOTÍCIAS POR E-MAIL
Participe do nosso grupo no WhatsApp