Sexta-Feira, 20 de Setembro de 2019 Fale Conosco Redação: (45) 9.9801-2350

Poder Legislativo de Marechal Rondon absolve vereador Adelar em processo disciplinar

ABSOLVIDO | 31/07/2019 | 21:40 |
Sessão extraordinária foi realizada na noite desta quarta-feira (31) | Fotos: Cristiano Viteck |
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Numa sessão extraordinária conturbada e acalorada, nesta quarta feira (31), os vereadores rondonenses decidiram pela absolvição do edil Adelar Neumann.

Marcada por fortes e emocionais expressões de fala por parte dos parlamentares a sessão contou com ampla reverberação da imprensa regional e a participação da sociedade como plateia. Alguns rondonenses levaram cartazes de protesto para externar sua opinião.

Com seis votos a favor, quatro nulos e três contrários à cassação do mandato, o vereador rondonense Adelar Neumann, do DEM, foi absolvido no processo disciplinar que respondia na Comissão de Ética e Decoro Parlamentar do Poder Legislativo. Para que Adelar fosse cassado, eram necessários nove votos dos 13 vereadores.

A votação aconteceu na noite desta quarta-feira (31), em sessão extraordinária.

A absolvição contrariou o relatório da Comissão de Ética e Decoro Parlamentar, que foi a favor da perda do cargo. A comissão responsável pela investigação foi formada Josoé Pedralli, presidente; Adriano Cottica, relator; e Portinho, membro.

Adelar respondia a processo disciplinar acusado de exigir parte de salário de servidor comissionado da Prefeitura, que teria sido indicado por ele ao cargo.

Ele chegou a ser preso em 04 de fevereiro deste ano, em operação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), em conjunto com a 2ª Promotoria de Justiça da Comarca de Marechal Cândido Rondon. Segundo as autoridades, a prisão teria ocorrido logo após o vereador receber parte do salário do funcionário.

Adelar foi solto em 25 de março para responder ao processo em liberdade e reassumir o cargo na Casa de Leis.

Apesar da absolvição no processo disciplinar no Poder Legislativo e a manutenção do seu cargo de vereador, ele continua a responder pela acusação na Justiça.

Adelar sempre negou a acusação, afirmando que o dinheiro era parte do pagamento de um empréstimo.

Na sessão de hoje, o advogado de defesa, Luciano Katarinhuk, enfatizou que não havia provas suficientes para sustentar a acusação e que, por isso, a votação dos vereadores deveria ser pela absolvição. “A questão probatória que foi produzida na Comissão de Ética foi insuficiente para gerar a certeza da culpa do vereador Adelar”, afirmou Katarinhuk.

A advogado ainda afirmou que a denúncia contra Adelar poderia ter sido motivada por interesses políticos. “As provas, pelo menos, sinalizam isso”, argumenta o defensor.

A votação que resultou na permanência de Adelar na Câmara foi secreta. Inclusive, a primeira tentativa de votação foi cancelada pelo presidente Claudio Kohler (Claudinho), depois que o vereador André Soffa exibiu a cédula com a sua decisão para o público presente. Conforme Claudinho, como a votação secreta estava prevista no Regimento Interno e foi determinada pela Justiça, o fato de exibir a cédula poderia resultar na anulação de todo o julgamento.

A gente viu um teatro na Casa de Leis para tentar esconder voto”, afirmou o relator Adriano Cottica ao comentar o resultado da votação. “Confesso que realmente saí bastante frustrado. Tentaram confundir a sociedade e hoje ninguém sabe quem votou”, completou.


Com Assessoria  – Por Cristiano Viteck – 31.07.2019
MAIS FOTOS
PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
INSCREVA-SE NA NOSSA NEWSLETTER E RECEBA AS PRINCIPAIS NOTÍCIAS POR E-MAIL