Quarta-Feira, 23 de Outubro de 2019 Fale Conosco Redação: (45) 9.9801-2350

Ronaldo Pohl pede informações sobre taxa de iluminação pública

RONALDO POHL | 08/10/2019 | 11:02 |
Vereador Ronaldo Pohl | Fotos: Cristiano Viteck |
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O vereador rondonense Ronaldo Pohl apresentou, nesta segunda-feira (07), requerimento com pedido de informações à Prefeitura sobre a taxa de iluminação pública cobrada daqueles imóveis que utilizam sistemas de produção de energia alternativa conectados à rede elétrica, seja através de sistema de energia solar fotovoltaica ou outros métodos de produção de energia limpa.

 

Pohl cita que a energia elétrica gerada por esses sistemas é uma fonte de energia complementar à Copel, pois toda produção durante o dia é entregue à rede elétrica instantaneamente. Conforme a normativa 482/2012 da Aneel, a energia injetada no sistema de distribuição pela unidade consumidora será cedida a título de empréstimo gratuito à distribuidora, passando a unidade consumidora a ter um crédito em quantidade de energia ativa.

O consumo de energia elétrica ativa a ser faturado é a diferença entre a energia consumida e a injetada, por posto tarifário, devendo a distribuidora utilizar o excedente que não tenha sido compensado no ciclo de faturamento corrente para abater o consumo medido em meses subsequentes, por até 36 meses. Os montantes de energia ativa injetada não compensados na própria unidade consumidora poderão ser utilizados para compensar o consumo de outras unidades previamente cadastradas para esse fim, conforme critérios definidos em lei.

Benefícios fiscais aos cidadãos

Diante dessa modalidade que começa a ser bastante difundida em Marechal Cândido Rondon, Pohl questiona a Prefeitura se existe, no âmbito municipal, alguma contrapartida em favor do cidadão que utiliza sistemas de produção de energia alternativa conectados à rede; como é cobrada a taxa de iluminação pública dos proprietários de imóveis onde há esse sistema; e se existe um meio legal para que o cidadão que produz energia renovável excedente seja ressarcido ou fique isento da taxa de iluminação pública.

Entendemos que deve haver, por parte da municipalidade, algum benefício referente a esta questão, e isto nos faz requerer as informações que indagamos neste documento. A ideia é que possamos, juntos, criar ainda mais benefícios para aqueles cidadãos que optarem por este meio de energia limpa e renovável, como modo de incentivar o uso destas tecnologias, dado a relevância dessa questão em nível nacional e global”, justifica Pohl.


Com Assessoria – por Cristiano Viteck


PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
INSCREVA-SE NA NOSSA NEWSLETTER E RECEBA AS PRINCIPAIS NOTÍCIAS POR E-MAIL